Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

0.87 cêntimos

0.87 cêntimos

Saúde mental

Helena, 28.04.22

 

Preocupamo-nos tanto com o físico que muitas vezes descuramos de cuidar da nossa saúde mental.

E não é fácil nos dias que correm. Sem falando dos efeitos que a pandemia nos deixou a todos.

Está bem, comparando com os homens primitivos, se calhar temos menos problemas, em que só para comer tinham que se levantar cedinho e estar atrás de uma árvore horas para caçar qualquer animal. Ou comparando com os escravos do tempo dos egípcios que passavam o dia inteiro a carregar pedras gigantescas para o túmulo do faraó.

Sim, temos mais sorte, mas entretanto os tempos evoluíram, estamos noutra era com outros problemas.

As guerras pelos vistos ainda continuam, tal e qual como na era do senhor feudal que queria as terras para si, exceto que agora as armas são outras, mais potentes, causando ainda maior destruição.

Mas nos dias que correm enfrentamos diversos tipos de problemas: gestão do dinheiro, educar as crianças ( da melhor maneira possível), acesso ao emprego, solidão, divórcios, guerras, pobreza,  etc etc etc.

São vários, o que causam também diversos problemas que se não forem bem geridos mentalmente, podem tornar-se problemas mais sérios.

Encontrei 3 apps de como ajudar a preservar a nossa saúde mental. 

Acho que se a nossa mente não está sana, como pode funcionar bem o resto?

Basicamente são um guia para melhorarmos a nossa saúde mental. Prometem conselhos ou estratégias para lidar com pensamentos e emoções de forma a aumentarmos nosso bem estar. 

As app são: tolet, violet e P5 saúde mental. E são gratuitas.

Vale a pena experimentar.

 

 

Janela para a natureza

Helena, 27.04.22

É com grande alegria, privilégio e deleite para os meus olhos que tenho uma janela virada para a natureza.

Literalmente.

Eu que adoro bicharada, nunca consegui viver sem eles, é como se tivéssemos filhos que nunca crescem, mas que estão sempre ali junto de nós.

Quando a minha filha resolveu no início do ano comprar uma calopsita, eis que tudo começou.

Resolvi, tempos depois arranjar outra. E como não gosto dos pássaros fechados numa gaiola, resolvi criar um espaço só para eles.

E onde? foi fácil.

Junto à janela da sala, arranjei uma tábua de uma lado ao outro em frente à janela, coloquei comida, água, vaso de plantas e ainda uma floreira com areia da praia.

Em cima e entre os espaços coloquei ramos de árvores para saltitarem de um lado para o outro.

E estão felizes.

Adoro acordar pela manhã, e observar um pedaço de natureza à minha frente: a comerem, a limparem as penas e a saltitar de ramo em ramo.

Muitas vezes resolvem fazer altos voos pela sala e depois voltam para os ramos improvisados.

Para além da calopsita, juntei um casal de periquitos, que inicialmente todos estranharam a presença de uns e outros.

Por mais incrível que pareça, as calopsitas é que estranharam mais!!!! Sempre que viam as miniaturas dos periquitos perto deles num ramo, fugiam para o outro lado! 

 

A comédia como perspectiva

Helena, 26.04.22

Muitas vezes vemos a nossa vida a desenrolar como um novelo de lã que vai criando nós aqui e ali.

É normal, é a vida a atuar, a pôr-nos em ação. (movimento)

Porém, algo que me apraz e me dá alegria é rir. RIR, RIR e RIR.

Adoro rir. E constatei que ao longo dos anos cada vez rio -me menos.

Normalmente esperamos ou não uma situação em que isso aconteça e rimos.

 Agora já não espero que aconteça a tal situação para me rir. E então aproveito as minhas próprias situações ( eu e a minha filha), colocamos em perspetiva e rimos das mesmas.

E é um fartote! 

Normalmente não são quando as situações acontecem, podem ser tempos depois, ou então são na hora. Depende da coisa.

Rir dos problemas, ou das coisas mais triviais, das nossas idiossincrasias pode ser a coisa mais divertida.

Normalmente pegamos, não no problema em si, mas na maneira como reagimos ao mesmo na altura, exagerando-o ou pondo-o noutras situações. E dá pano para mangassss!

O comportamento humano tem um manancial de situações que em perspetiva podem ser do mais divertido que há.

Conselho: veja a sua vida, ( têm que ser situações relativamente fáceis de resolver) ou que mesmo que sejam difíceis, se consigam perspetivar dessa forma, como um filme cómico.

Torna a vida mais leve.

Asseados? a sério?

Helena, 25.04.22

Há quem diga que os gatos são animais domésticos asseados.

Digo-vos eu: não são!

Passou-se o seguinte há dias.

Depois de constatar que a gata de loiça borra a parede até cá cima quando come, começo com o relambório para a minha filha: " já viste? um animal tão pequeno como é que consegue borrifar até cá acima?" São asseados o caraças, é que são!"

A seguir disse: " Maria, desvia a taça da água do gato, que agora vou colocar mistolin na parede e depois caí na água do gato, e o gato MORRE!"

Reação da minha filha: impávida e serena a olhar para a tigela da gata. 

Eis que depois de uma das pulvurizadelas saltou mistolin para a tigela do gato.

Reação da moça: gargalhada sonora! dizendo: " O mistolin caiu na água do gato !" " E o gato morre!"

Minha reação: " A sério???"

e a seguir rimos feitas doidinhas prontas para ir para o manicómio!

 

A felicidade

Helena, 24.04.22

Há pouco li um estudo acerca da Felicidade, em traços gerais.

Pelos vistos, foi o maior estudo que fizeram acerca do tema, em Harvard, desde o ano 1940, empreendendo cerca de 2000 pessoas .

E pelos vistos há formas de sermos mais felizes.

Todos sabemos que a felicidade eterna e constante nas nossas vidas é volátil, não é permanente, mas há formas de sermos mais felizes durante o processo que é viver.

Ponto 1: as pessoas que têm uma rede de suporte maior tal como a família, amigos ou ligação com a comunidade, são mais felizes; saudáveis e vivem mais tempo;

o que evita o ponto 2, a solidão. A solidão, segundo os especialistas, com maior incidência de ocorrer na velhice ou adolescência, são a população mais vulnerável, nomeadamente nos países mais ricos;

Quem sofre de solidão, e por conseguinte tem menor número de contactos sociais, poderá ter maior redução das funções cerebrais,  a saúde piora mais cedo e vivem menos anos do que os que têm maiores ligações sociais;

Outro fator importante é a qualidade dos relacionamentos íntimos: as relações conflituosas são más para a saúde, sendo piores que o divórcio;

outro fator importante relacionado ainda com os relacionamentos íntimos é que são mais felizes e a sua saúde perdura mais tempo, e a sua memória, caso tenham parceiros com que possam contar;

Por último, aqueles que cultivavam amizades fora do trabalho, que priviligiavam em primeiro lugar as relações e só depois o trabalho, também eram muito mais felizes, sendo que a felicidade neste estudo  traduz-se numa maior longevidade, associado a um maior bem estar físico e mental.

 

 

 

 

A soltura das máscaras!

Helena, 23.04.22

Ontem foi com grande gritaria de entusiasmo que ouvi de outra sala os miúdos pela primeira vez a tirarem as máscaras, depois destes 2 anos de pandemia!

Foi a loucura!

Um dos professores da sala ao lado deu essa ordem. Quanto a mim, ainda não dei essa ordem, pois, embora na comunicação social tivesse falado do dia de ontem, também falaram que era hoje, no sábado e nas escolas, a partir de terça-feira, pois aparentemente ainda não saíra em diário da républica.

Depois de tanto tempo com a cara tapada, as pessoas sentem libertação. Confesso que embora a máscara nos sirva para proteger, era também com incómodo.

Agora finalmente, vamos associar com mais fidelidade a personalidade de cada um, ao rosto que desconhecíamos até então.

 

Vantagens e desvantagens de usar máscara

Helena, 22.04.22

 

Em princípio não vêm para ficar. Mais dia menos dia, livramo-nos delas.

O desconforto que foi para que nos habituássemos a elas! Posso até elaborar uma lista:

-não se percebia o que dizíamos, o tom de voz era abafado; ( tínhamos que gritar em plenos pulmões);

- não se ouvia o que diziam; ( tinham também de gritar em plenos pulmões);

-não conseguíamos ler, caso usássemos óculos, embaciavam automaticamente, passávamos o dia a limpá-los;

-roçavam na cara;

-tapavam os olhos quando a tentávamos ajeitá-la;

- saltavam os elásticos das orelhas;

-escorregavam do nariz;

- ficava com rubor na cara (eu, os outros não sei)

- magoavam atrás da orelha;

etc etc etc

Eram as desvantagens. E as vantagens?

Para além da essencial, a de proteção, haviam outras...

Quais?

Por exemplo, para as senhoras, podiam com mais facilidade deixar crescer o bigode, que ninguém dava por nada;

Para a população em geral poderiam não lavar os dentes com tanta frequência, (nem quero ver quando deixarmos as máscaras de vez), imagino o sorriso do Zé Manel, depois destes 2 anos de pandemia, dentes de ouro! Outra vantagem, a máscara poupava-nos o bafo do outro.

Outra vantagem era, se fosse caso disso, passarmos despercebidos na rua, em alguma situação inconviniente, como por exemplo, evitarmos cumprimentar a vizinha antipática, ou alguém mal encarado! Ou ainda, passarmos de fininho, sem ninguém dar conta, caso estivéssemos a dever dinheiro a alguém!

e certamente hão-de haver muitas mais!!!

Uma das que considero efeito surpresa é aquela em que não conhecemos o rosto da pessoa que  usa a máscara, e dentro de nós, o nosso cérebro preenche o espaço que falta em relação ao aspeto da mesma pessoa, e quando porventura, a tira, não corresponde em NADA, do que imaginámos!!!

PS quando escrevi este post, ainda não havia previsão para deixarmos de usar máscaras, agora que já há, e é a partir de amanhã, vamos ver quantos dentes de ouro encontramos!

 

As boas e as más notícias

Helena, 21.04.22

Há dias e dias.

E então aqueles dias em que tudo parece que corre mal, a única coisa que me resta é sentar-me na poltrona sossegadinha à espera que passe e que mais nenhuma notícia me venha bater à porta.

Já estou nas últimas, quando estou muito sossegada no meu matraquear mental, quando de repente digo em voz alta :" nem café tenho!"

A minha filha no meio do silêncio é das primeiras que os meus desabafos dão-lhe vontade de rir.

Seguiu-se o seguinte. Num desses dias, em que tudo parece correr mal, diz-me junto da ombreira da porta da sala: " Tenho boas e más notícias, qual queres ouvir primeiro?"

Fico indecisa. Até das boas desconfio. Decido arriscar "quero a boa".

Bem, na verdade, a boa não há.

 A minha reação:

E a má?

Bem, a má é que a máquina de lavar está entupida e não lavou a loiça!

Pausa. Pausa. E pausa.

Podia começar a passar-me ainda mais dos carretos e dizer uns quantos palavrões para aliviar e  terminar aí a história.

Eis que não. Eis que de repente se ouviu uma sonora gargalhada da MINHA PARTE. AH! AH! AH! e AH!.....

A minha filha não entendendo a loucura momentanea de sua mãe, parou um pouco, sem reação e depois pensou: "bem, ela está a rir-se, ri-te também!"

Como é que sei isto? Perguntei-lhe depois ( porque te estás a rir?)

Depois....

Helena, 20.04.22

 de um ano sem escrever, fez-me bem esta pausa. Não é que tenha havido graaandes mudanças na minha vida, não tem, pelo menos não me lembro!

Mas há sempre coisas que mudam, isso há. No entanto acho que as interiores são sempre mais valiosas que as exteriores.

Por isso, depois do sucesso estrondoso que tive noutro blog (lol, é mentira!), eis que volto a este com garra renovada! ( ups, mentira, outra vez!)

Se ficar por uma semana , já é muito!

Mas conto ficar, enquanto Deus me der forças para ir escrevendo, pois a cabeça e a sensibilidade estão sempre à flor da pele.

Atualização: está a correr bem, zero subscritores e 1 nas visitas!

Temas bons

Helena, 19.04.22

Constatei que há muitos blogueiros que escrevem para caraças sobre tudo e mais coisa, e isso não é bom,  é ótimooooo!!!! E até escrevem bem.

Mas com pena minha, não vejo aqueles temas parvos e interessantes que gosto mais, ( e úteis, também são úteis) como por exemplo:

como pintar as unhas em casa sem borrar a seguir;

como fazer um pão gostoso, sem queimar ou explodir o fogão; ou sujar muito a cozinha;

como manter o penteado do cabeleireiro por mais de 3 dias; especialmente num dia ventoso;

como tratar das hemorrodias ou unha encravada ( não é que estamos a precisar)

como impedir que o gato borre a parede com comida; (dava jeito umas dicas)

como entusiasmar as crianças a fazerem os TPC sem birras, (a precisar de boas dicas e executar)

como motivá-las a fazerem a cama e tudo o que mandarmos sem contestações; (muito mesmo!!!)

ideias como ganhar dinheiro extra com pouco; (também dá jeito!)

como escapar de vez da pandemia ( ideias e truques, se bem que já tivémos mais longe);

Este risco, visto que já apanhei o covid, mas para quem ainda não, pode dar jeito!

etc etc etc

e um bom tema seria mesmo : " como não elouquecer nos dias que correm...." ( ideias, truques e sugestões aceitam-se...)

Pág. 1/2