Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

0.87 cêntimos

Desejo a todos....

por Helena, em 23.12.22

                                                       

 

 

                                     Um Feliz Natal e um Excelente 2023!!!!

 

Woop - Está associada à teoria da esperança.

por Helena, em 15.12.22

Ouvi falar desta ferramenta pela primeira vez na formação que entretanto já terminou.

E numa das sessões pusemo-la em prática.

Consiste no seguinte: cada um pensa num desafio que pretende alcançar, e de seguida pensa em planos alternativos para o alcançar sempre que surgirem obstáculos pelo caminho; ou seja como existem sempre obstáculos para atingirmos o que pretendemos, pensar em planos alternativos sempre que os obstáculos surgem, é uma forma de prevenir o insucesso e não desmotivar.

Exemplo: o meu desafio é X;

se acontecer isto ( obstáculo),

então faço isto!

e assim sucessivamente até não haver mais obstáculos à vista.

Confesso que quando ouvi falar nisto no início fiquei com dúvidas, mas realmente, na prática, ajuda-nos a não desistir ao primeiro obstáculo que surja.

Encontrei até um site sobre esta ferramenta:

https://woopmylife.org

 

Como nos vemos daqui a dez anos?

por Helena, em 14.12.22

Esta foi outra pergunta que nos foi feita na formação. E através de uma meditação guiada, tínhamos que nos visualizar num futuro positivo, daqui a dez anos. Como estaríamos? O que estaríamos a fazer? Que pessoas estariam connosco?

Confesso que este exercício foi difícil. Primeiro lá consegui visualizar qualquer coisa, mas depois desci à terra, e esfumou-se.

Uma colega, disse que passados 10 anos, entraria na reforma, fiz as minhas contas, e a mim faltar-me-iam cerca de seis! Ou seja pré reforma!

Ou seja, quase velha!!!!

Fiquei feliz, porque a última coisa que me quero ver é assim: " Velha!" , e ainda tinha caminho pela frente; se bem que entrar na reforma já é uma ideia apelativa!!!

Antes destes pensamentos todos, da velha etc, uma coisa pensei " faço lá a miníma ideia como visualizarei o meu futuro daqui a dez anos, até o dia seguinte tenho dificuldade em visualizar!!! Se bem que muitas vezes não é assim muito diferente da rotina habitual.

Sinceramente sempre tive dificuldade em visualizar-me num espaço e tempo que ainda não é meu, só serei capaz quando lá chegar. 

Só consigo viver o agora, com o que me rodeia, em concreto e está vivo.

A gratidão

por Helena, em 13.12.22

Numa das últimas sessões que fiz na formação, explorou-se este tema. E um tema tão simples como este, deixa-nos sempre a pensar.

As perguntas que tínhamos que responder eram: "A quem tínhamos gratidão?";  tinha que ser alguém a quem agradecíamos do fundo do nosso coração por estar ou ter estado presente na nossa vida.

A segunda era a que entidade, se a Deus, ao universo ou à mãe Natureza, por exemplo.

Refleti ainda um tempo em todas as questões, e as respostas surgiram sem pestanejar.

Primeiro agradeço à minha mãe, por tudo o que fez e ainda faz por mim, porque para além de ser mãe é também a minha melhor amiga. Tenho que lhe agradecer um dia destes, e embora já o tenha feito no passado, é sempre bom relembrarmos a importância que tem na nossa vida.

Depois agradeci a Deus. agradeço-Lhe várias vezes coisas boas que faz por mim, se calhar há outras tantas que nem dou conta, e se calhar nem Lhe agradeço as vezes suficientes. ( é bem possível).

Coisas banais ( houve até pessoas a rirem-se disto), como : " Graças a Deus arranjei lugar no estacionamento" ou " hoje está sol".

Outras há mais sérias como: tenho dinheiro para pagar as contas! e isto para mim, já é uma grande benção.

Nos meus momentos mais escuros, dá-me sempre uma luz para seguir caminho. Quando não dá, nas adversidades, fico a remoer " maldita sorte!". Mas como disse uma pessoa e eu acredito nisso, nas adversidades ( embora seja mais difícil ver em primeira instância), muita vezes o tempo encarrega-se de nos mostrar que afinal " foi melhor assim".

O meu puto

por Helena, em 12.12.22

de nove anos, às vezes tem frases deliciosas.

No outro dia, enquanto conduzia, pergunta-me assim do nada: " O que queres ser quando fores grande?"

Achei o máximo esta pergunta. Respondi-lhe : " eu já tenho profissão".

Mas achei uma lufada de ar fresco, como que, segundo ele " qual o caminho que pretendes seguir?"

O meu puto II

por Helena, em 10.12.22

No outro dia, com medo que armasse mais algum disparate disse-lhe do sofá para o seu quarto:

" agora não faças disparates!"

Resposta dele do quarto: " mas a única coisa que eu sei fazer são disparates!"

Eu:

Como te sentes?

por Helena, em 09.12.22

Numa das primeiras sessões, a formadora perguntou a cada um de nós como se sentia naquele momento, como sentia que estava a sua vida.

Isto logo no início da sessão. acho que ninguém estava preparado. Estávamos todos preparados para ouvir montes de teorias de como ser mais feliz no trabalho etc e tal e não àquela pergunta.

Ainda por cima não nos conhecíamos de lado nenhum. 

Fora uma pergunta algo intimista, pois isso obrigava a abrirmo-nos enquanto pessoas e ao mesmo tempo intimidadora, pois obrigava-nos a falar perante estranhos, olhos nos olhos, mesmo que fosse online.

Ninguém estava preparado.

Houve silêncio.

Depois alguém começou e de uma partilha seguiram-se as outras.

Casos que ninguém imaginava: morte de amigos ou marido, doenças etc

Já não me lembro o que disse ou se disse alguma coisa, mas lembro-me que, daí estar a escrever este texto, que a pergunta pôs-nos todos a pensar, a refletir como estávamos a sentir naquele momento.

E só por isso valeu a pena.

Dei-me conta que num interminável número de coisas que faço diariamente, na correria do dia a dia, que tinha que voltar a atenção para mim, que eu era importante e que queria fazer coisas que me fizessem sentir bem e por mim.

Se calhar foi por isso, que voltei para a escrita.

Como se cuidam?

por Helena, em 08.12.22

Uma das atividades solicitadas na formação da educação positiva era pensarmos como nos cuidamos, quer ao nível da alimentação, quer ao nível do sono, exercícios e passatempos.

Segundo a formadora o que comemos influencia os nossos estados emocionais, e o exercício físico o que sentimos.

A qualidade do sono também é importante, e para mim, uma noite mal dormida significa a cabeça mais na lua e a propensão para a maior falta de paciência.

Agradecer também é importante, ou agradecer pelo o que temos e não tanto pelo o que nos faz falta, também parece ser um ponto importante.

Agradecer todos os dias por alguma coisa de positiva que nos aconteceu, nem que seja por termos encontrado lugar no parqueamento logo à primeira.

Faz falta, às vezes, pensar sobre estes pontos, que parecem tão pequenos mas que nos influenciam todos os dias da nossa vida e se acharmos que não estão exatamente no patamar que queremos, dar a volta e pensar no que podemos fazer melhor.

Depois de dias e dias a chover....

por Helena, em 07.12.22

tenho SAUDADES do SOL!!!! 

Tenho mesmo! Como se fosse um amigo que está lá sempre e que faz falta!

Faz-me falta olhar para as coisas e ver a sua beleza através da cor; 

O céu fica mais bonito, luminoso e aconchegante;

As árvores ficam com cores mais alegres;

os pássaros chilream por todo o lado; 

a minha gata apanha banhos de sol;

a roupa seca num instante.

Faz-me falta o seu calor no corpo;

Faz-me falta beber o café pela manhã e ver o seu nascimento diário;

Faz-me falta pela vitamina D, que tenho sempre em baixo no Inverno;

Faz-me falta para dormir melhor, pois o dia parece-me quase igual à noite; sempre cinzento;

Sinceramente sou uma pessoa mais triste no inverno, pois não está cá o meu grande amigo... Sol.

Quando vens visitar-me???

 

 

Mãos de fada

por Helena, em 06.12.22

Eu devo ter mãos de bruxa!

Assim que vejo um fio elétrico ou um colar cheio de nós,  ou papel de alumínio para desenrolar ou até aquele papel fininho e transparente de embrulhar as sandes, cujo nome não me lembro de momento, dá-me uma coisa. 

E  não desisto enquanto não desenrolo os ditos.

Conclusão: fica sempre pior do que estava e não consigo que aquilo fique útil para o objetivo pretendido, como por exempo, uma coisa tão simples como embrulhar umas sandes para o lanche do miúdo. Mesmo com um rolo novo, o serviço é o mesmo!

Sábado ou domingo estava a estrear um rolo novo, quando me deparei com uma pequena lingueta de fita-cola no meio do rolo. Com esforço e com a ajuda de uma faca, lá a removi de tão colada que estava. Conclusão:  ao desenrolar a folha que estava  tão colada  também, vinha a folha com o buraco no meio. Só visto! 

Depois tentei cortar a folha por onde estava a lingueta para ficar tudo certinho, resumindo,  como tinha andado lá com uma faca, danifiquei as folhas por baixo!

Então vinham as folhas às tiras!!!

Cada vez pior!

Claro que me apeteceu deitar imediatamente o rolo para o caixote do lixo...

Mas depois... lembrei-me de alguém que cá em casa tem mãos de fada!!!

A minha filha!!!

Quando chegou a casa, expliquei-lhe o sucedido, ela já nem diz nada, já conhece as minhas desabilidades para a coisa e de um momento para o outro, devolveu-me o rolinho intacto, parecia NOVO.

Só lhe perguntei: " COMO É QUE CONSEGUES ???"

 

Pág. 1/2