Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

0.87 cêntimos

0.87 cêntimos

Ler

Guarda rios, 16.10.23

E agora como a vida dá o mote e vamos dançando a sua dança, agora já não tenho a mesma disponibilidade para cá vir como dantes e confesso nem a mesma inspiração.

No meu caso, não sou eu que tenho que andar atrás da escrita, é a escrita que tem que me seguir, porque para mim, tenho que viver primeiro para depois contar. ( embora o contrário já tenha acontecido).

Mas como gosto de vir cá ler os vossos textos e saber como estão, agora por uns tempos, fica assim: em vez de escrever, venho cá LER, que também é bom.

Se virmos bem, assim tenho a papa feita, não preciso de escrever,, apenas ler e comentar.

Espero que estejam bem e boa semana!

A lei antitabagismo

Guarda rios, 05.10.23

Confesso que fiquei um bocadinho preocupada quando foi aprovada em assembleia da república da nova proposta de lei em relação ao tabaco.

A minha pergunta e a de todos os fumadores, será: " e agora, onde é que eu vou fumar???" 

" Como vou conseguir estar tantas horas sem fumar um cigarrinho?"

Principalmente eu que trabalho numa escola e não há lugares disponíveis de acordo com a nova legislação. 

" Não se preocupe" - disse-me a sra do café que também estava envolta em dúvidas se montava ou não a esplanada e se retirava ou não os cinzeiros. " Ainda não saiu em decreto lei!"

Respirei fundo.

Na altura, fiquei um pouco assustada " como é que me vou desenrascar???"

Mas depois, aos poucos, e ao longo desta semana, comecei a ver as coisas de outra forma: " então, se calhar,  é desta que páro de vez!"

Quando vejo um obstáculo, começo a transformá-lo em desafio, por isso é como encaro-o agora.

" Deixa ver se consigo!"

 

Onda de solidariedade

Guarda rios, 04.10.23

Lembrei-me disto: visto que no mundo atual, é só desgraças, até custa ouvir as notícias na televisão, ficamos impotentes quanto às coisas que ouvimos e que nos afetam, mesmo que não diretamente.

Então, porque não construir uma onda de solidariedade?

Começando por nós, teríamos que fazer o bem a alguém, uma vez por dia, e essa pessoa a quem ajudámos, teria o compromisso de fazer o bem a outrem, e assim sucessivamente!

Claro que teria de haver compromisso de todos! Poderíamos até começar por casa, fazemos aos nossos filhos e na escola, teriam que ajudar um coleguinha e por aí adiante....

Quem sabe a ideia não pega, e cria-se uma onda de solidariedade? Para sentirmos que não estamos sós neste mundo e que mesmo não podendo mudar o mundo, podemos fazer a diferença na vida de  alguém com pequenos gestos... e sermos um pouco mais felizes! Como se plantássemos sementes de alegria, que só faltam crescer através das nossas ações ou atitudes. Todos seríamos responsáveis por cuidar do mundo e teríamos voto na matéria.

Fica a ideia! ( vou já falar com o meu miúdo!)

abraços e boa semana

 

Afinal...acho que só queria voar como os pássaros

Guarda rios, 03.10.23

Desde pequena que senti um fascínio por aviões, avionetas, avionetas acrobáticas etc...

Aquilo é giro, vê-los no ar, a voar, como se fosse a coisa mais fácil do mundo! Com aquele rasto de fumo enquanto rodopiam no ar, fazendo loopings e corações.

Em jovem, antes de ir para a faculdade, ainda concorri e fui chamada para a Força Áerea para fazer os testes psicotécnicos.

No dia seguinte, desisti. Não fiquei com remorsos, nem arrependimentos.

E porque estou a falar nisto?

Porque no sábado, fui assistir ao Airshow em Oeiras. Nunca tinha assistido em Oeiras, mas gostei, valeu a pena, apesar de ter estado cerca de 4horas à torreira do sol, a olhar para os céus.

E a relação que eu faço, olhando para trás, é que no fundo, no fundo, acho que só queria era experimentar a sensação de voar como os pássaros...

As petas

Guarda rios, 02.10.23

Lá diz o ditado:" é mais rápido apanhar um mentiroso que um coxo"

Hoje ao sair da escola, uma funcionária veio ter comigo e disse-me assim" ontem o seu filho chegou tarde a uma aula, e antes de entrar,  à porta estava ele e outro, e o seu filho disse assim:

- Agora temos que inventar uma desculpa à professora!

Elas riram-se óbvio, tal era a situação caricata. E depois pediu-me " mas não diga que fui eu que disse".

Quando o fui buscar, disse-lhe:

- Eu já sei tudo!!!!

E ele atrapalhado, disse:

- Aí sim? Telefonaram, foi?

- Foi.

- Foi a professora de História?

- Sim, hoje mesmo!

- Ah! Então o que é que ela disse?

- Não, eu quero ouvir é de ti!

E lá contou o que eu já sabia.

Claro que depois lá lhe dei conselhos para que tal não se repetisse.