Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

0.87 cêntimos

Um dos meus livros preferidos

por Helena, em 17.07.24

De entre todos os livros que já li, há um, muito simples, talvez pela sua simplicidade e que ao mesmo tempo cabe tanta coisa, remete para o passado, presente e futuro, que é o meu ( ou um dos) livros preferidos.

Este livro abarca todos os sentimentos prováveis que temos nalgum momento da nossa vida. E não, não é nenhum clássico.

Ficam aqui algumas imagens. ( Um livro para todos os dias) Editora : Planeta Tangerina.

 

IMG_20240717_081312~3.jpg

 

IMG_20240717_081431~2.jpg

IMG_20240717_081548~2.jpg

IMG_20240717_081936.jpg

IMG_20240717_081930~2.jpg

IMG_20240717_082040.jpg

 

IMG_20240717_103137~2.jpg

 

IMG_20240717_081403~3.jpg

E vocês? qual o vosso livro preferido????

Partilhem imagens ou frases!

 

 

Agora que troquei a televisão

por Helena, em 30.11.23

nomeadamente notícias, filmes e séries , ou porque são repetitivos, ou não dão seguimento às séries, repetem-nas apenas, voltei às leituras. 

Tenho 3 para ler, um já vai quase no fim, faltam 2!

 

E vocês que andam a ler?

Quando as coisas não são nossas

por Helena, em 14.11.23

Há aqui uns mix feelings. Ficamos felizes porque já que as perdemos mas se nos foi emprestado, já nos podemos desenrascar. Como um livro, que é o meu instrumento de trabalho.

Dizem-me: " vai à plataforma, está lá o livro!"

Certo, mas eu prefiro o papel. escrevinhar notas e notinhas do que já está feito, perguntas que posso fazer... etc

Está personalizado!

Para além de que o livro emprestado, está novo, e o antigo já teve os seus anos junto de mim.

Já me conhece e eu a ele.

Para além de que quando nos emprestam as coisas, temos que ter extra cuidado, não podemos escrever neles....etc

A relação temporária não será a mesma coisa.

Felizmente o dito já apareceu, mas este foi o post que escrevi na altura que andava perdido numa mochila de uma aluna minha....

Já ouviram falar no bookcrossing?

por Helena, em 24.02.23

Pelos vistos surgiu em 2001 nos EUA e o intuíto era transformar o mundo numa biblioteca.

Supostamente as pessoas deixariam um livro num local público onde as pessoas o encontrassem e o leriam. Mais tarde poderiam devolvê-lo ou deixar um seu.

Esta ideia já se encontra muito difundida por aqui, se bem que encontro diferentes versões: a do bookcrossing e a do leve e não devolva!

Já encontrei em bibliotecas, em jardins e até na praia.

Gosto do conceito. Às vezes encontram-se achados outras vezes nem por isso. Para além de funcionar como fator surpresa, nunca sabemos o que podemos encontrar, parece também que estamos à cata de um tesouro! O livro que ainda não temos e que nos faz falta!

Já encontrei imensos livros para crianças e em bom estado, enciclopédias sobre animais, ou mesmo sobre os povos ou relacionados com história ou arte.

Desta vez, encontrei um livro sobre uma jovem que tirou um canudo, mas que foi trabalhar para um supermercado, e então a viagem à volta do livro são as peripécias no supermercado. Já comecei a ler. Depois encontrei o meu herói de criança: o Tom Sawyer! O livro estava em mau estado, quer dizer, a lombada, de resto, estava ainda em condições de leitura. Tentei entusiasmar o meu miúdo a lê-lo e agora antes de se deitar, lê um bocadinho. "Já vou na 17", disse-me ontem do seu quarto para o meu.

A minha filha encontrou um romance sobre um rapaz com trissomia 21 e um cão.

Nem sempre os conteúdos me interessam, como por exemplo: " Manual de eletricidade" ou " Como criar cavalos" ou outros.

Mas como se costuma dizer " Cavalo dado não se olha o dente".